Ouça nossa webradio

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Rádio comunitária baiana lança campanha online para se regularizar



A rádio Coité FM, emissora comunitária de Conceição do Coité, no interior da Bahia, lançou hoje uma campanha para arrecadar R$ 11.500 e garantir o procedimento de licenciamento, após três negativas do Ministério das Comunicações. A coleta está hospedada no site Catarse e conta com apoio das ONGs Artigo 19 e Amarc Brasil e vai permanecer no ar por 60 dias. A rádio comunitária foi fundada em 1998, sem fins lucrativos, administrada por moradores da cidade, com programas de notícias locais, serviços de utilidade pública e músicas tocadas por artistas da região.
Sem outorga de operação, a emissora sofreu vários episódios de perseguição da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e da Polícia Federal (PF), com multas, processos, apreensão de equipamentos. Representantes da rádio chegaram inclusive a ser processados e mesmo condenados no âmbito penal por conta da ausência de outorga.
“Resolvemos criar a campanha, pois sozinhos não temos condições de arcar com todo esse dinheiro. O povo coiteense tem coração grande, mas, mesmo assim, o valor é alto demais. E por isso decidimos lançar a campanha em nível nacional para arrecadar a quantia que precisamos”, explicou Piter Junior, membro da rádio Coité FM e um dos idealizadores da campanha.
“A sina da rádio Coité FM é um exemplo de todo um universo de rádios comunitárias brasileiras que lutam para exercer seu direito à liberdade de expressão, mas que enfrentam enormes obstáculos, que variam da burocracia excessiva à criminalização das rádios”, disse a advogada Camila Marques, da Artigo 19, que acompanha o caso.

Informações: Rede Brasil Atual

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

SE VOCÊ OUVIR O MULTIMISTURA TODO DIA, CORRE O RISCO DE SE TRANSFORMAR NUMA SUBCELEBRIDADE



--- “Pra admitir que é corno, já é difícil, imagina a gente se admitir babaca!” - Bebé de Natércio, sobre a massa que gritava: “Somos todos Temer”.

--- Onde estavam os juízes quando os militares estupraram a democracia em 64? E onde estão agora?

--- Nadadores americanos desonraram os ladrões brasileiros. 

--- Merlânio declama poesia de Bertolt Brecht.

--- Voto nulo ainda é uma forma de protesto? Merlânio Maia ensina como votar com seriedade e discernir o profissional do voto do verdadeiro e vocacionado político.

--- As pessoas que escutam o Multimistura têm melhor desempenho sexual, dizem especialistas.

MULTIMISTURA fala de poesia e política, com Merlânio Maia


--- O programa tem Merlânio Maia, multiartista, poeta da paz e declamador.  
--- Alô Dedé Arnô, Júnior de China de Mari, Ivaldo Gomes, João de Deus do Gai, Eudo Jansen, Natan Oliveira, poeta fescenino Vavá da Luz, poeta Pádua Gorrion e poeta Quelyno Sousa.
--- O programa teve a visita de um estranho personagem cujo nome não se pode falar. Este misterioso personagem teve seu direito de expressão vetado pela “ditadura judiciária”.
--- O estranho caso do candidato comunista que acredita em Deus e desacredita em Marx.
--- “Temer é um cão menor, mas o capiroto mesmo é o Eduardo Cunha”, garante Merlânio Maia.
Primeiro bloco da semana do MULTIMISTURA está no ar:

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Rádio comunitária Zumbi tem mais um portal retransmitindo programação na internet


A Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, de João Pessoa, aumentou sua rede de emissoras e sites que retransmitem ou reproduzem sua programação. O portal “Blog do Vavá da Luz”, de Ingá, passa a ter link para a Zumbi, numa cortesia de Walter Mário da Luz, o Vavá da Luz, poeta e blogueiro, responsável pelo blog mais acessado da região do agreste da Paraíba. (www.blogdovavadaluz.com)

“Agradecemos ao amigo Vavá da Luz pela gentileza de repercutir nosso trabalho”, disse Dalmo Oliveira, produtor da emissora web. Conforme Fábio Mozart, um dos programadores, os conteúdos da Rádio Zumbi são extensamente focados na comunicação comunitária. “Em nossa grade de programação, destacamos o “Multimistura”, uma experiência de debate descontraído que é a cara de Vavá”, acrescentou.


PELO CELULAR

A Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares tem vários parceiros no mundo da internet, entre eles o portal de notícias DiárioPB, cujo responsável criou aplicativo para tornar possível a recepção da Zumbi no celular ou tablete.

Google Play – Smartphone que opera com androide – Aplicativo disponível para você sintonizar a Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares em seu celular. 

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Brasil inicia entrega de rádios aos estrangeiros, com repressão às emissoras nacionais

Rádio Comunitária em Viamão - RS

Mal renunciou o presidente da ANATEL, a rede GLOBO iniciou a limpeza moralizadora do espectro eletromagnético. Somente um ingênuo ou cretino para não perceber que a pretensão é a entrega do espectro ao conglomerado dos banqueiros internacionais. Estes, donos do satélite, controlam as telefônicas associadas à indústria global de entretenimento. Para os banqueiros, a nova ordem é limpar o espectro de todas frequências que impedem a expansão de seus negócios. Pouco importa que sejam rádios comerciais, estatais, publicas ou comunitárias. Aliás, as comunitárias são o alvo principal, pois, mesmo sendo de políticos, pastores ou dos patronos da comunidade, formam uma grande malha de emissoras que se firmaram como as "rádios oficiais” dos pequenos municípios e comunidades isoladas.

No Rio Grande do Sul, a Tupancy FM,  de Arroio do Sal, no litoral norte, é o melhor exemplo do empreendedorismo comunitário, bem como a Itapuã de Viamão, na periferia da capital, é outro ótimo exemplo. Paradoxalmente, só não vão ser expulsas do espectro as ditas "verdadeiras rádios comunitárias” - as emissoras da esquerda bem pensante - pelo fato de que estas não existem no espectro. As razões para tal fracasso deveriam fazer parte da autocritica das esquerdas, mas, o fato, é que estas não existem nas cidades onde atuam os movimentos da reforma urbana e social;  nem nos sindicatos de trabalhadores que capitulam perante o patronato; nem nas universidades sob o tacão dos inquisidores e queimadores de livros suspeitos. Assim, como não existem nos acampamentos e assentamentos do campesinato. Em cada lugar de luta, é vero, existem assessorias de comunicação, mas o direito à comunicação implica em ter - no sentido do direito a comunicação eletrônica -  uma estação de radio.

Quem refresca cu de pato é lagoa e rádio comunitária não é um discurso a seu favor e sim uma emissora que ocupa um lugar no espectro que, por razões de soberania , é um território no espaço que pertence ao povo, assim como pertence ao povo a Amazônia, as águas marítimas e o pré sal. Porem, o movimento pela democratização das comunicações perdeu 16 anos atirando pelas costas nestas emissoras comunitárias em nome da radiodifusão  ideal  com programação ideal - onde a gestão é feita por ativistas ideais, límpidos, insípidos e inodoros.

O governo Lula e Dilma nunca apoiaram nenhuma politica para fomenta-las, pois que apostou tudo no monopólio e na comunicação publica /estatal que, na verdade, nunca passou de 2% de audiência. Mais uma vez, o povo vai pagar a conta do golpe e agora vão calar a voz das pequenas emissoras que, se não são ao gosto das esquerdas, botam a voz do povo no ar pra pedir luz, limpeza de rua e de terreno baldio, vaga em creche e também pra divulgar forró ou bailão, pedir remédio usado ou fazer rifa pra cadeira de rodas. Diante do modo que nos relacionamos com as 3.870 rádios comunitárias do Brasil – o radio difusor das vilas – nunca soube com quem estava falando: se com os democratas da comunicação ou com a ABERT. Serão tempos divertidos pra quem não morrer de fome.


(Publicado no grupo Radcom, no Twitter – Assinado por Luiz Carlos Vergara)

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Radialista denuncia rádios de São Paulo que funcionam irregularmente e não transmitem o horário eleitoral



As Rádios Comunitárias de campinas receberam os mapas de mídia da propaganda eleitoral gratuita e a ata da reunião entre as emissoras e os partidos políticos. Entretanto, não foi consignado na ata o posicionamento da ABRAÇO em relação às rádios de outros municípios que funcionam irregularmente em Campinas e não irão transmitir o horário eleitoral, que prejudicará as outras emissoras, bem como os partidos políticos, pois estas emissoras não transmitirão a propaganda eleitoral gratuita.

Solicitamos dos partidos políticos democráticos, que se posicionem sobre esta arbitrariedade que acontecerá em Campinas.

Jerry Oliveira (Rádio Comunitária Hortolândia)

domingo, 14 de agosto de 2016

Denúncia: a máfia das igrejas no radialismo brasileiro


“Igrejas picaretas estão matando o rádio no Brasil”. A declaração é do colunista do Yahoo,  Regis Tadeu. A veracidade da frase vem de encontro ao atual momento do radialismo brasileiro, que cada vez mais tem seu espaço tomado pelas mais variadas vertentes de igrejas evangélicas. Na grande São Paulo, por exemplo, basta ir mudando de estação para se deparar com a quantidade absurda de pastores nos microfones. Em outras regiões como no Centro-Oeste, não é diferente.

Em sua coluna publicada no dia 10 de agosto de 2016, Regis afirma que a pregação transformou o rádio em um veículo de disseminação de estupidez e malandragem. “São cada vez mais raras as emissoras que ainda mantém uma programação musical/jornalística. Em compensação, o resto é estelionato religioso na cara dura, com todo mundo prometendo resolver qualquer problema: câncer, saldo negativo no banco, unha preta, possessão demoníaca, sogra insuportável, espinhela caída, casamento acabado e toda sorte de ‘disgracêra’ que você imaginar. Um verdadeiro atentado à inteligência, mesmo para quem tem um nível de raciocínio próximo ao das lagostas”, escreveu o jornalista.

A culpa, segundo Regis, é da própria emissora que aluga sua programação. A prática é proibida pelo Código Geral de Telecomunicações, mas o arrendamento de emissoras de rádio se transformou em um multimilionário mercado de aluguel, o que fez o Ministério Público entrar na briga judicial para tentar acabar com esse mal que se alastrou pelo país. Os alugueis em São Paulo chegam a custar R$ 500 mil por mês.
Outra denuncia de relevância para a comunicação no rádio é o processo chamado “paulistanização”,  onde uma emissora de pequeno porte do interior do Estado, com alcance restrito, passa a ter  uma potência de radiodifusão multiplicada na capital por intermédio de outras emissoras. O aumento da potência de transmissão não tem qualquer autorização da Anatel, que é a Agência Nacional de Telecomunicações.

Para Regis Tadeu, a única maneira de acabar com a máfia das igrejas no rádio é a Justiça agir rapidamente e com rigor. “Interromper as transmissões imediatamente, lacrar os equipamentos em caso de desobediência de sentença judicial, determinar o bloqueio dos bens dos envolvidos, fiscalização incessante em cima desses picaretas. Caso contrário, teremos mais um meio de comunicação dominado por gente escrota e desonesta fazendo programação para energúmenos das mais variadas espécies que certamente são grandes ‘clientes’ em potencial” finaliza o comunicador.

Bruno Caetano
Da Redação

Com informações de Regis Tadeu

Emissoras públicas declaram apoio à continuidade da TV Brasil



Da Agência Brasil
A Rede Nacional de Comunicação Pública, que reúne 16 emissoras públicas estaduais de TV, publicou uma nota pública manifestando apoio da entidade à continuidade da TV Brasil, emissora pública da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). A decisão de escrever a nota foi tomada durante uma reunião mensal que as emissoras fazem para falar de programação e tratar da troca de conteúdos.
EBC é uma empresa pública que, além da TV Brasil, é gestora da TV Brasil Internacional, daNBR, de oito emissoras de rádio, da Agência Brasil e daRadioagência.
A  Rede Nacional de Comunicação Pública diz que a “ameaça de suspensão da TV Brasil é gravíssima”. “A hipótese de descontinuidade da TV Brasil prejudicaria diretamente toda estrutura de comunicação pública no país, na medida em que boa parte da programação das emissoras regionais é fornecida dela”, diz a nota.
Segue a íntegra da nota pública da  Rede Nacional de Comunicação Pública
Por uma comunicação pública forte, comprometida com o cidadão e a democracia
Reunidas em Brasília, as emissoras públicas estaduais de TV que compõem a Rede Nacional de Comunicação Pública manifestam seu total apoio à continuidade da operação da TV Brasil, fundamental para o cumprimento do princípio de complementariedade de sistemas de televisão definido pela Constituição Federal. A ameaça de suspensão das atividades da TV Brasil é gravíssima. Configuraria um duro ataque à liberdade de imprensa e de expressão e uma violação a um dos direitos humanos fundamentais reconhecidos pelas Nações Unidas.
A Empresa Brasil de Comunicação (EBC), nave-mãe da TV Brasil, da TV Brasil Internacional, da NBR, de oito emissoras de rádio e uma agência de notícias, foi inaugurada em 2007 com a missão de avançar na concretização dos artigos da Constituição relativos à comunicação –que seguem sem regulamentação, na sua quase totalidade, 28 anos depois de promulgada a Carta Magna.
A hipótese de descontinuidade da TV Brasil prejudicaria diretamente toda estrutura de comunicação pública no país, na medida em que boa parte da programação das emissoras regionais provém dela. Na prática, a rede pública de televisão é o único meio de circulação de informação gratuita qualificada sobre fatos ocorridos para além do eixo Rio-São Paulo, onde se concentram as grandes redes de TV comerciais. É por meio da rede pública, a partir da TV Brasil, que a sociedade brasileira enxerga melhor a diversidade de temas, personagens, realidades e culturas regionais –o que demarca com clareza os diferentes papéis da TV pública e da TV comercial.
Da mesma forma, é importante acentuar a distinção entre uma TV pública como a TV Brasil e um canal estatal –caso da NBR, responsável pela comunicação governamental do Poder Executivo Federal. Essenciais para a defesa de uma democracia saudável, TV Brasil e NBR precisam demarcar com cada vez mais clareza seus diferentes papéis, que serão melhor cumpridos quanto maior for a separação de estruturas. equipes e conteúdos.
A lei que cria a TV Brasil oferece também um importante mecanismo de fomento à radiodifusão pública, por meio da única fonte de financiamento existente para o setor. A Contribuição para o Fomento à Radiodifusão Pública precisa ser regulamentada urgentemente, para que se possa escoar os R$ 2,7 bilhões arrecadados desde 2009 entre as TVs e as rádios do campo público.
As emissoras abaixo assinadas reafirmam, portanto, a importância da preservação do caráter público da TV Brasil e do fortalecimento da Rede Nacional de Comunicação Pública, essenciais para a garantia dos direitos à informação, à comunicação e à liberdade de expressão. O que se constitui como instrumento indispensável para a afirmação de uma comunicação voltada aos interesses do cidadão, que contribua para a consolidação da jovem democracia brasileira.
TV Aldeia (Acre)
TV Antares (Piauí)
TV Aperipê (Sergipe)
TV Ceará
TV Cultura do Amazonas
TV Pernambuco
TV UFB (Paraíba)
TV UFSC
TV UFG (Goiás)
TV Universitária do Recife
TV Universitária (Rio Grande do Norte)
TVE Alagoas
TVE Bahia
TVE Tocantins
TVT (São Paulo)
Rede Minas
Edição: Fábio Massalli
Agência Brasil

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Entrevista com Natan Oliveira, um dos maiores locutores da Paraíba

O universo do rádio aguça nossa imaginação, mas como será que tudo isso funciona? Como é o trabalho de um locutor?

Natan Oliveira, veterano locutor de rádio e som volante, cerimonialista e folclorista de Mari (PB), dá entrevista exclusiva para o programa “Alô comunidade”, da Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, contando sua trajetória e curiosidades de bastidores.

Confira às 14 horas deste sábado (13) na Rádio Tabajara da Paraíba AM (1.110 KHZ) com mais 12 rádios comunitárias paraibanas e portais da internet. – Produção e apresentação de Fábio Mozart.

Para ouvir pela internet, no site da Tabajara AM:




Rádio comunitária de Araguatins (TO) começa rodada de entrevistas com candidatos a prefeito


Os eleitores e eleitoras da cidade de Araguatins (TO) vão ter a oportunidade de ouvir as propostas de seus candidatos através das ondas do radialismo comunitário. Ligada a Associação Comunitária São Vicente Ferrer, a Rádio Comunitária Sucesso FM, realizará de 10 a 13 de agosto, uma rodada de entrevistas com os candidatos a prefeito de Araguatins, Alday Machado (PMN), Aquiles da Areia (PRB), Cláudio Santana (PMDB) e Marcos da Eticcam (PSDB).
As entrevistas terão duração de 1 hora, sempre das 9h à 10h. Quem abre a rodada de entrevistas é o peemedebista, Cláudio Santana, que será sabatinado pelo entrevistador e apresentador, Getúlio Carneiro, nesta quarta-feira, 10.
 Depois é a vez de Marcos da Eticcam, na quinta-feira, 11; Alday Machado, na sexta-feira, 12 e encerrando no sábado, 13, Aquiles da Areia. A ordem das entrevistas foi definida por sorteio e na presença de representantes das Coligações.

Segundo o apresentador e organizador, Getúlio Carneiro, o objetivo da rodada de entrevistas é oportunizar aos candidatos mostrarem a população seus planos de governo.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Presidente da Anatel renuncia mandato


O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende, entregou quarta-feira (10) sua carta de renúncia ao mandato na agência. Rezende, que ficará no cargo até 29 de agosto, alegou razões de ordem pessoal para renunciar.

O mandato de Rezende como conselheiro da Anatel iria até novembro de 2018, mas ele ficaria na presidência da agência até dezembro de 2016.

O documento foi entregue no Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e endereçado ao presidente interino Michel Temer e ao ministro Gilberto Kassab.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

alo comunidade319 BRUNO LINHARES OCUPA GEISEL

 





Nesta edição  Fabiana Veloso, Beto Palhano e Marcos Veloso entrevistam o publicitário Bruno Linhares, ativista comunitário do bairro Ernesto Geisel. Produção de Fabiana Veloso. Sonoplastia de Beto Lucas.

sábado, 6 de agosto de 2016

Amarc e a Marcha das Vadias ampliam debate sobre o machismo na mídia independente e comunitária

O que a mídia alternativa, independente e livre tem feito para incluir as mulheres? Por que muitos movimentos sociais denunciam a cultura de estupro, mas não realizam este debate dentro dos seus núcleos? Como a legislação das Rádios Comunitárias contribui para a reprodução de práticas opressivas?

Todas essas perguntas fizeram parte da roda de conversa sobre Machismo na Esquerda e Mídia Comunitárias nos Megaeventos, que ocorreu na manhã da última quarta-feira (3) durante a Jornada de Lutas contra Os Jogos da Exclusão. A Associação Mundial de Rádios Comunitárias (Amarc) e a Marcha das Vadias uniram as duas atividades para fazer uma discussão ampliada sobre as temáticas.

Ao todo, cerca de 40 pessoas participaram do encontro. A maior parte do público era composta de mulheres que encontraram na roda de conversa um espaço para compartilhar experiências e pensar em práticas que possam fortalecer a presença feminina nos coletivos.

Para a psicóloga e feminista Mariana Queiroz, os principais desafios das mulheres passam pela capacidade de se auto-organizar para compreender o tipo de violência que está ocorrendo e pelo debate sobre a forma de fazer e pensar política dentro do movimento.

Já o integrante do Conselho Político da Associação Mundial de Rádios Comunitárias (Amarc), Pedro Martins, falou sobre o machismo presente nas rádios comunitárias e na dificuldade das mulheres em participar dos espaços de decisão das emissoras.

Martins também destacou a necessidade urgente de mudança na lei 9612 que rege as rádios comunitárias no Brasil. Segundo ele, a legislação é restritiva por entender o conceito de comunidade como algo geográfico, não atendendo grupos de interesse como feministas e LGBTs que também poderiam se apropriar do rádio.


Amarc

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

alo comunidade318 El Gorrion ITATUBA

 



Nesta edição Fabio Mozart bateu um papo cultural com a galera de Itatuba (PB). Pádua Gomes Gorrión e Mauryce Lima falam de cordel e outros movimentos. Produção de Mozart com sonoplastia de Beto Lucas.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

BAHIA

Ex-prefeita de Araci invade rádio comunitária com “capangas” e ameaça radialista



A ex-prefeita de Araci, conhecida como Nenca (PP), foi acusada de invadir a Rádio Comunitária Cultura FM acompanhada de “capangas” e agredir verbalmente o radialista Zé Socorro, de 72 anos. A política estaria irritada com o fato de o comunicador noticiar que ela teve as contas rejeitadas pelo TCM – Tribunal de Contas do Município e por citar que seu partido, o PP, é considerado um dos mais corruptos do país, sendo um dos principais alvos da Operação Lava Jato. Em um áudio do programa divulgado nas redes sociais é possível escutar os gritos da ex-gestora.
Em entrevista ao Informe Baiano, Zé Socorro revelou que tem medo de morrer. “Já tentaram me sequestrar aqui e eu tenho feito o programa com medo. Pra você ter uma ideia, eu já fiz programa aqui com dois policiais dentro do estúdio da rádio me protegendo. Eu tenho sofrido muito, mas essa é a minha missão e eu vou continuar defendendo o povo”, disse.
O profissional contou ainda que já foi vítima da ex-prefeita outras vezes. “Eu fui agredido por um capanga dela uma vez e, inclusive, eu processei ele. Esse povo ainda acha que tá época do coronel Saruê, que manda matar e quer calar a voz. Querem implantar o coronelismo aqui em Araci, mas eu não aceito isso. Os tempos são outros. Ela não quer que eu diga que ela é ficha suja. Eu sou o fundador da rádio e a mantenho com meus recursos. Sou diretor e locutor”, afirmou.
Duas viaturas da Polícia Militar comandadas pelo Capitão Agacis foram acionadas e conseguiram controlar a situação. O radialista prestou queixa na delegacia da cidade.
No site do Tribunal de Contas do Município, a ex-prefeita Maria Edneide Torres Silva Pinho, a Nenca, é citada com contas irregulares, sendo alvo, inclusive, de uma representação do Ministério Público da Bahia. Ela teve as contas rejeitadas duas vezes por irregularidades em sua gestão e mais uma vez, é pré-candidata a prefeitura de Araci.