Ouça nossa webradio

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Abraço convida rádios comunitárias para Audiência Pública no Senado Federal em setembro

Tendo em vista a realização da Audiência Pública para discussão do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição – ECAD, uma indicação do Senador Hélio José (PMDB-DF), aprovada pela Comissão do Senado do Futuro, que se realizará no dia 28 (quinta-feira) de setembro de 2017, às 17:00hs no auditório 13 do Senado Federal, Brasília – DF, a Abraço-Brasil convida todos os dirigentes para se fazerem presentes neste importante evento.

Convém lembrar que esta será a primeira vez que o Senado Federal estará abrindo as portas para que possamos debater sobre o ECAD e principalmente quando poderemos apresentar nossas reivindicações para o parlamento brasileiro, sobretudo neste momento que as RADCOMs vêm sendo perseguidas pelo ECAD.

Segundo o coordenador executivo da Abraço-Brasil, Geremias dos Santos, é importante a participação de todos os dirigentes das rádios comunitárias espalhadas pelo país. “Temos que fazer uma grande caravana representativa (dirigentes de todos os estados) para que possamos demonstrar que estamos unidos e imbuídos no mesmo proposito que é a mudança da legislação do ECAD e principalmente porque o ECAD não pode tratar as rádios comunitárias como se fossemos rádios comerciais, na medida que tem cobrado um valor astronômico e fora da nossa realidade. Como que uma emissora comunitária de 25 watts vai pagar o ECAD igual uma emissora de 1000 watts? Como pagar o ECAD, se somos uma entidade sem fins lucrativos e proibidos de acessar a verba pública de mídia dos governos federal, estaduais e municipais?”, indaga o dirigente.

Com quase um mês de antecedência,  a entidade espera que todos adquiram suas passagens para que possam ter um grande número de dirigentes presentes para um debate qualificado. “Lembramos que após a audiência pública, estaremos realizando a Assembleia Geral da Abraço Nacional, em Paranoá – DF, para discussão de assuntos relacionados ao nosso plano de luta”, completa Geremias dos Santos.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Comemorando primeiro ano, programa de debate “irresponsável” tem ouvintes em Pernambuco

O programa Multimistura, produzido pela Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, vem recebendo audiência de todas as partes do país, segundo o “âncora de cortiça” João de Deus, um dos apresentadores. Da cidade de São Lourenço da Mata, em Pernambuco, a ouvinte Maria José Nascimento (foto) escuta toda semana a “lenda do humor escrachado travestido de jornalismo” que é o Multimistura, segundo o outro “âncora sem porto” Fábio Mozart, da turma de seis ou sete produtores do radiofônico que comemora um ano.
O programa roda no blog da Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, diariamente, em gravações das 10 ao meio dia. “O grupo já está em sete pessoas, e só não aumenta porque o estúdio da rádio é pequeno, mas quando transmitimos diretamente de um bar, temos até torcida organizada e banda de metaleiros ao vivo”, comenta Berg Domingos, o Baby Varonil, baixista da banda de rock “Stress City” e componente da galera do Multimistura.

Mazé Nascimento recebeu a camiseta promocional do Multimistura, ao interagir nas redes sociais sobre o programa. “Parabenizo os meninos do Multimistura e sugiro que botem meninas também, porque as moças merecem estar no elenco dessa zorra”, disse ela. 

domingo, 13 de agosto de 2017

ALO COMUNIDADE ROBERTO CARTAXO PORTA CENICA

 



Nesta edição Fabio Mozart e Dalmo Oliveira entrevistam o diretor Roberto Cartaxo e as atrizes Kaline Brito, Dayse Borges e Maria Durand, que falam da montagem de "A Noite das Mal Dormidas". Produção de Mozart. Sonoplastia de José Fernandes.

sábado, 12 de agosto de 2017

Roberto Cartaxo e a trupe do Coletivo Porta Cênica serão os convidados deste sábado no “Alô comunidade”


Roberto Cartaxo é considerado um dos melhores diretores de teatro da Paraíba na atualidade. Ele e os atores e atrizes do grupo Portal Cênico, com a produtora Kalline Brito, estarão neste sábado no programa “Alô comunidade” para falar sobre artes cênicas e os projetos do grupo.

O “Alô Comunidade” é um programa da Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares e transmitido pela Rádio Tabajara (1.110 AM), retransmitido por sete rádios comunitárias e diversos blogs e sites, numa produção da Sociedade Cultural Posse Nova República, Academia de Cordel do Vale do Paraíba e Coletivo de Jornalistas Novos Rumos.
O programa vai ao ar todos os sábados às 14h, com apresentação e produção de Dalmo Oliveira, Fábio Mozart e Beto Palhano, reportagem de Fabiana Veloso e Marcos Veloso. 

Para ouvir em tempo real pela internet:




sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Multimistura é campeão de audiência na Rádio Zumbi


Tudo começou como uma espécie de brincadeira: amigos aficionados por rádio resolvem gravar um programa cuja a primeira regra era não há regras! Foi assim que surgiu a ideia do MULTIMISTURA, que chega à 100ª edição esse mês, cada vez mais irreverente e liderando a audiência na RadioWeb Zumbi dos Palmares.

O radiofônico é gravado apenas uma vez por semana, geralmente nas tardes das quintas, no estúdio caseiro que o jornalista Dalmo Oliveira montou no sótão de sua casa, no bairro do ex-ditador Ernesto Geisel, na zona sul da capital paraibana. "Inicialmente queríamos apenas fazer uma espécie de reunião semanal gravada, botar o papo em dia, tomar umas, jogar conversas fora e criticar os políticos", lembra.

Quem batizou o programa foi o videasta Marcos Veloso, inspirado no complemento vitamínico que a tia de Dalmo produz à base de folha de macaxeira, sementes e outros aditivos orgânicos, usado pra combater a desnutrição de crianças nos bolsões pobres do Nordeste brasileiro.

"Queríamos fazer uma experiência radiofônica onde os assuntos fossem colocados de forma aleatória, sem ordem pre-estabelecida, tudo misturado mesmo, assuntos sérios com piadas e causos", explica o escritor Fábio Mozart, que logo se tornaria o âncora-mor do experimento sonoro.

Com o passar do tempo o programa foi formando audiência cativa, principalmente dos amigos virtuais dos realizadores do MULTIMISTURA. "Além de veicularmos diariamente na radioweb, colocamos os blocos gravados na plataforma RADIOTUBE, onde podem ser escutados a qualquer momento por quem recebe o link via Facebook", diz Dalmo.

"Além de ser um exercício bacana de jornalismo comunitário, o programa acabou se transformando também numa espécie de terapia grupal onde rola muita risadagem e todos ficam bem à vontade pra falar aquilo que agente não falaria em outros círculos. A gente aproveita para brincar com nossos próprios preconceitos, medos, frustrações e fantasias", comenta Oliveira que também atua como DJ do radiofônico.


O programa tem a participação também de Fabiana Veloso, Beto Palhano, Sergio Ricardo, Rudemberg Domingos e João Jales. Eventualmente, algum entrevistado aparece para dar outros pitacos.  

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Congresso de rádios comunitárias na Bahia


Você pode participar do congresso de radiodifusão comunitária em 25 e 26 de agosto em Itapoã, com certificado de participação, 20 horas.

A democratização do uso social e comunitário das ondas de rádio de baixa potencia depende de nós e dos nossos movimentos sociais. As ameaças aos nossos direitos são maiores neste momento do golpe politico de 2016 e seu aparato judicial e midiático. Não basta estarmos nas ruas. Temos que ocupar as redes digitais e as ondas de radio de sons e imagens.

Participe deste XII Congresso Estadual de Radiodifusão Comunitária, nos dias 25 e 26 de agosto no centro de treinamento da SDR em Itapoã. Radio comunitária não é propriedade privada. É livre, pública, de todos.

Para se inscrever online basta clicar neste link:

sábado, 5 de agosto de 2017

ALO COMUNIDADE MEIRE LIMA 05082017

 



Nesta edição a cantora Meire Lima celebra conosco o lançamento de sue primeiro CD e o aniversário da capital paraibana. Produção e apresentação de Dalmo Oliveira. Locução de Beto Palhano. Sonoplastia de Maurício  Alves.

ALO COMUNIDADE LUCIA TRAVASSOS FERNANDA FERREIRA HELIANA HEMETERIO

 



O programa Alô Comunidade entrevista a psicóloga Lucia Travassos, que fala sobre o combate à depressão. Tem ainda sonoras com a ativista Heliana Hemiterio e com a artista e contadora Fernanda Ferreira. Produção e apresentação de Mabel Dias, com apoio de Fabiana Veloso e Dalmo Oliveira. Sonoplastia de Maurício Alves.

Música de radialista comunitário paraibano repercute na África


“Toada de terreiro”, de Fábio Mozart e Orlando Otávio, toca na Rádio Nacional de Angola, África, e na Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, de João Pessoa. A toada está no CD “Music From Paraíba”, volume 3, com 4 CDs. Estamos no CD 01 – World – faixa 11. 

Fábio Mozart é radialista comunitário, tendo fundado as emissoras Araçá, de Mari, Zumbi dos Palmares de João Pessoa e Mogeiro FM, de Mogeiro. É autor do livro "Democracia no ar", que conta episódios da repressão às rádios livres e comunitárias na Paraíba, nos anos 90. 

A música fala das tradições culturais nordestinas, com ênfase na sua terra natal, Itabaiana, berço do grande maestro Sivuca, primo de Orlando Otávio, autor da melodia. 





segunda-feira, 31 de julho de 2017

Após processos, políticos repassam propriedade de rádios para familiares

Após ações judiciais do Ministério Público Federal (MPF) em parceria com o Fórum Nacional de Democratização da Comunicação, deputados federais e senadores sócios ou proprietários de canais de TV e estações de rádio passaram a transferir suas cotas empresariais a familiares e aliados políticos.

Os processos se iniciaram em 2015, embasados na Constituição Federal, que veda a concessão pública de canais a autoridades eleitas. Mais de 40 políticos foram alvo das ações. Após a manobra, a Justiça tem se dividido sobre o resultado dos procedimentos instaurados pelo MPF, que afirma que o mecanismo utilizado por deputados e senadores “burla à lei”. 

Os acusados defendem que ao abrirem mão da propriedade formal, as ações perdem seu objeto, já que estariam se adequando à legislação.

O senador Jader Barbalho (PMDB-PA), por exemplo, passou sua cota na Rádio Clube do Pará a sua filha Giovana Barbalho. Em junho deste ano, um juiz federal de primeira instância suspendeu as transmissões, argumentando que a mudança no quadro de sócios inclui “outros membros da família” do político.

Em Minas Gerais, por outro lado, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região entendeu que a transferência das ações, ocorrida em 2016, na rádio Arco Íris de Aécio Neves para sua irmã, Andréa Neves, eliminou a irregularidade. O MPF recorreu da decisão.

“Já era esperado que isso pudesse acontecer. Não era certeza, mas era provável. No nosso entendimento, isso representa uma burla ao que determina a lei. Nós defendemos que nesses casos as concessões sejam cassadas”, diz Pedro Antônio de Oliveira Machado, procurador da República que participou da formulação das ações civis públicas.

Machado ressalta o momento em que as mudanças ocorreram: “Existem linhas para defender [nossa posição]. Primeiro, as transferências só ocorreram depois da ação. Isso já é um dado revelador de que se quer manter o controle da concessão. Segundo, o direito não pode compactuar com a má-fé”.

Finalidade

O procurador explica que argumentos o MPF pretende utilizar contra as decisões que não cassarem as concessões após as transferências.

“Há um exemplo de uma decisão do Supremo Tribunal Federal em um caso que não é esse mas é aplicável. A súmula vinculante sobre nepotismo diz que parentes até terceiro grau não podem exercer cargos de confiança. Transportando esse entendimento para esse caso, me parece possível defender que também está havendo violação”, aponta.

Segundo ele, a vedação de conceder canais a políticos deve ser entendida para além da formalidade, incluindo também a finalidade da lei, lembrando que há uma proibição geral, com base no princípio da moralidade na administração pública, de autoridades eleitas serem parte de contratos públicos. “Nos casos de contratos de concessão de radiodifusão há o fator adicional de ser um veículo formador de opinião. Em muitos casos, isso significa desequilíbrio nos pleitos eleitorais”, afirma.

Machado finaliza dizendo que é importante que se tenha decisões favoráveis ao cancelamento das concessões nesses casos, já que as ações do MPF tiveram como alvo apenas políticos na esfera federal, e que há a intenção de incluir também deputados estaduais e vereadores em uma próxima etapa.


Edição: Luiz Felipe Albuquerque

sábado, 29 de julho de 2017

Atriz paraibana fala ao vivo no “Alô comunidade” deste sábado



A atriz Georgina Furtado é a convidada do programa “Alô comunidade”, produzido pela Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares e transmitido pela Rádio Tabajara da Paraíba AM (1.110 KHZ), neste sábado, 29 de julho, a partir das 14 horas.
Georgina Furtado é professora de arte na Educação Básica, atriz e bailarina. Doutora em Educação Artística - Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Portugal, licenciada em Teatro pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB, e graduada em Engenharia Civil pela mesma universidade.
O “Alô Comunidade” é retransmitido por onze rádios comunitárias e diversos blogs e sites, numa produção da Sociedade Cultural Posse Nova República, Academia de Cordel do Vale do Paraíba e Coletivo de Jornalistas Novos Rumos.
O programa vai ao ar todos os sábados às 14h, com apresentação e produção de Dalmo Oliveira, Fábio Mozart e Beto Palhano, reportagem de Fabiana Veloso e Marcos Veloso. 

Pela internet: 

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Rádio Zumbi na campanha por mais tolerância religiosa

O jornalista Dalmo Oliveira, da rádio comunitária Zumbi dos Palmares – João Pessoa/PB – é um militante do movimento negro na Paraíba. Ele está na luta para ajudar ao negro a gostar de si, a se valorizar, a exigir respeito por si e pelos seus direitos, a viver em harmonia e solidariedade com as outras etnias e estimular o povo negro a manter viva sua memória histórica, inclusive a religião de raiz africana.

Para isso, ele participa e divulga o movimento “Eu respeito os Orixás”, pela organização e luta do movimento negro e pela tolerância religiosa.


segunda-feira, 24 de julho de 2017

UFPb realiza seminário sobre rádios comunitárias em agosto


A transmissão de som sem fio, feita pelo brasileiro Roberto Landell de Moura, não é mais a mesma desde a invenção da internet e consequentemente do Smartphone.
Após as duas últimas, a forma de se fazer comunicação mudou e mudou para um patamar sem volta!
Hoje com sua infraestrutura modificada e composta de estúdios, antenas e computadores, as rádios passam a ser um ponto de partida para a digitalização e também de uma nova forma de meio de comunicação, criados e geridos pelas próprias comunidades, o que garantirá de fato a verdadeira democratização da comunicação.
Garantindo a apropriação e acesso das pessoas do campo e da cidade a: TV comunitária, rádio comunitária, Internet comunitária, Telefonia celular comunitária e os novos meios que surjam desta fusão.
Repensar o rádio, a partir da convergência digital, fará com que possamos inseri-lo em uma nova lógica de produção e difusão onde estão embarcados as operações das mídias tradicionais em sua forma impressa, de áudio (rádio) e vídeo (TV), permitindo uma maior interação e distribuição de conteúdos informativos e de entretenimento com conteúdo que priorize a criticidade do ouvinte e de quem sempre foi refém dos grandes grupos de comunicação.
Pensando nisso, a ABRAÇO BRASIL(Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária) irá realizar entre os dias 25 e 27 de agosto de 2017, em João Pessoa no Estado da Paraíba o Seminário “As Rádios Comunitárias e a Convergência Digital”, buscando ampliar o debate em torno do tema para as RADCOM de todo o Brasil.

Promoção: Abraço Brasil, Abraço Paraíba e UFPB.

www.abraçogoias.org.br 

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Juiz fecha rádio comunitária em Campina Grande (PB)

Ao acatar uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), por meio da Promotoria de Justiça das Fundações, o juiz de Direito auxiliar da 7ª Vara Cível de Campina Grande, Alex Muniz Barreto, determinou a suspensão do funcionamento da Fundação de Massaranduba e da Rádio Massaranduba-FM. A medida judicial se deu por conta da violação ao Código Civil e das finalidades estatutárias, praticada pela entidade filantrópica e pela emissora de radiodifusão, respectivamente.
No despacho, o juiz Alex Muniz Barreto determinou, também, o afastamento de sua função do gestor da Fundação de Massaranduba, Antônio Mendonça Coutinho Filho; do administrador da Rádio Massaranduba-FM, José Antônio Correia de Oliveira e, ainda, a apreensão de todos os equipamentos de radiofonia da emissora da rádio comunitária.
De acordo com a ação civil pública impetrada pelo promotor de Justiça Guilherme Câmara, as atividades da Fundação se resumiam ao funcionamento da Rádio Massaranduba-FM, cuja programação estaria servindo de instrumento para atender interesses político-partidários, em detrimento da sua verdadeira finalidade, que é a difusão de ideias e elementos culturais, de tradição e hábitos sociais, além de servir de estímulo ao lazer e recreação.

"Sem contar com sede e patrimônios próprios, ficou comprovado, através de documentos anexados aos autos, que a Fundação de Massaranduba não tinha como bancar o funcionamento daquela emissora comunitária, que estaria sobrevivendo de contribuições originárias do poder público e de publicidade patrocinada pelo comércio local, o que é vedado pela Lei das concessões de rádios comunitárias",diz Ministério Público. 

domingo, 16 de julho de 2017

ALO COMUNIDADE CRISTINE NOBRE

 



Fabio Mozart e Dalmo Oliveira entrevistam a poetisa Cristine Nobre Leite. Participação de Thiago Alves. Sonoplastia de José Fernandes. Fotos de Dalmo, Jandira Lucena e Thiago Alves.

sábado, 15 de julho de 2017

“Alô comunidade” tem entrevista com poetisa Cristine Nobre

A poetisa Cristine Nobre é odontóloga de Pacientes Especiais em Belém desde janeiro de 2006 e na Atenção Básica como dentista da UBS da zona rural do município de Pirpirituba, sendo Conselheira Municipal de saúde deste município desde 2011. A poetisa destaca-se pela sua atuação em comunicação na área de saúde, utilizando o cordel como meio de informação e “garantia de saúde” na área onde atua. 
Ela é a entrevistada deste sábado, 15, no programa “Alô comunidade”, às 14 horas, na Rádio Tabajara da Paraíba AM, 1.110 KHZ, ou pelo portal www.radiotabajara.pb.gov.br
O “Alô Comunidade” é um programa da Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares e transmitido pela Rádio Tabajara (1.110 AM), retransmitido por doze rádios comunitárias e diversos blogs e sites, numa produção da Sociedade Cultural Posse Nova República, Academia de Cordel do Vale do Paraíba e Coletivo de Jornalistas Novos Rumos. Apresentação de Fábio Mozart e produção de Dalmo Oliveira.


segunda-feira, 10 de julho de 2017

ALO COMUNIDADE 357 LUZENIRA LINHARES

 



Nesta edição Dalmo Oliveira entrevista a sindicalista Luzenira Linhares, presidenta do Diretório Municipal do Partido dos Trabalhadores (PT) da capital paraibana.

Comunicador de Mari faz reflexão sobre Rádio Comunitária


Tenho refletido muito sobre o nosso papel de todos os  comunicadores da nossa cidade, sobre o papel da rádio comunitária, em especial nossa Rádio Comunitária Araçá Fm de Mari, localizado na zona da mata paraibana.

Estamos no início do século 21, caminhando para metade da segunda década e a cada dia que passa o capitalismo neoliberal aprofunda ao extremo o individualismo e ainda a massificação e coisificação das pessoas, vem  destruindo valores, culturas, laços familiares e, consequentemente, o senso de humanidade.

Daí que vivenciamos tanta criminalidade, a criminalização da pobreza e dos movimentos sociais, e a marginalização dos movimentos culturais.
Ora, essa realidade não é por acaso, muito menos obra do destino ou vontade de alguma divindade, para aqueles que acreditam em Deus.

Essa situação ocorre por vontade de homens, grupos sociais minoritários que precisam se manter no poder e, para tanto, buscam destruir o que de mais precioso tem o ser humano, a capacidade de pensar, de refletir.

Nesse quadro, tudo passa a ser observado pela elite dominante e seus arautos da chamada grande imprensa, não com a profundidade necessária para se descobrir as causas dos problemas sociais, mas a partir do chamado ‘senso comum’, condenando a todos que lutam e acreditam num mundo melhor.


Falo aqui da criminalização dos movimentos sociais organizados, que lutam para manterem-se mobilizados e que são vítimas de uma longa história de perseguição, julgamentos, condenações, sem a possibilidade de defesa.

Carlos Alcides/Mari-PB

sábado, 8 de julho de 2017

Ouvinte do Multimistura recebe camisa promocional do programa de jornalismo bem-humorado da rádio Zumbi

Nini Soares é ouvinte “cativa” do programa “Multimistura”, produzido pela Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, de João Pessoa. Ela mora em Itabaiana e escuta o programa pela internet, no blog www.radiozumbijp.blogspot.com  O programa tem reprise diária a partir das 10 horas, com os comunicadores Dalmo Oliveira, João de Deus Rafael, Fábio Mozart, Marcos Veloso e Roberto Palhano. Nini recebeu a camisa promocional do programa desta semana, patrocínio da Camisaria Piaba www.piabacamisas.com.br  “Virou hábito ouvir as doideiras desses caras, tirando onda com os fatos do dia-a-dia”, afirma Nini Soares.

Dalmo Oliveira, produtor do programa, admite que não sabe se o “Multimistura” é um programa jornalístico com humor ou um humorístico que reconta os fatos de forma debochada e satírica. “A linguagem é a do povão, conversa de mesa de bar, sem amarras nem censuras”, disse ele. O programa já está comemorando doze meses no ar, gravado semanalmente e reprisado todos os dias na Rádio Web Zumbi dos Palmares e outros portais da internet.

Márcia Dias é estudante de jornalismo e quer fazer seu projeto final de curso sobre o “Multimistura”. “Acho interessante o formato, inédito no rádio paraibano”, disse ela. Humor jornalístico ou jornalismo de humor, “Multimistura” nasceu em mesa de bar e vai continuar nesse clima, segundo Beto Palhano, um dos redatores. 

segunda-feira, 3 de julho de 2017


Sociedade Cultural Posse Nova República

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

A Diretoria Executiva da Sociedade Cultural Posse Nova República, usando das atribuições que lhes confere o Estatuto da entidade, convoca os associados para Assembleia Geral Extraordinária a ser realizada no dia 6 de julho de 2017, na sua sede provisória na Rua Adilson Pereira da Silva, nº 26, Conjunto Ernesto Geisel, João Pessoa, Paraíba, às 14 horas, para deliberar sobre admissão de novos sócios e eleição da diretoria.

João Pessoa, 01 de julho de 2017

Marcos Antonio Veloso do Nascimento

Presidente

domingo, 2 de julho de 2017

ALO COMUNIDADE 356 WALTER LUIS







Fabio Mozart entrevista na Tabajara AM o músico e forrozeiro Walter Luís, que lança o CD Vou Voltar por Interior! Apoio de estúdio de Dalmo Oliveira e sonoplastia de José Fernandes.

sábado, 1 de julho de 2017

Sanfoneiro Walter Luiz lança novo CD no programa “Alô comunidade” deste sábado


O cantor, compositor e multi-instrumentalista Walter Luiz lançará seu novo CD no “Alô comunidade”, neste sábado, 1º de julho, na Rádio Tabajara da Paraíba AM, sob o comando de Fábio Mozart, produção da Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares.
Walter Luiz faz parte da história da MPB paraibana. Nos anos 70, integrou o quarteto Plaft, cujos demais integrantes eram Walter Galvão, Emanuel Brandão e Jobe Lira. Nas décadas seguintes, o cantor participou de vários festivais: SESC-Liceu Paraibano, ForróFest, Canta Nordeste, Canta Brasil, Projeto Araponga, Festival da Violeira Rose Abraão, Folia de Rua, dentre outros. Seu primeiro LP foi lançado em 1990, intitulado “Pão de Música”, em parceria o seu irmão Byaya.

Walter Luiz participou do Programa Raul Gil, na TV Record, do quadro “Boca do Forno”, representando a capital paraibana para todo o Brasil. Walter Luis representou o nordeste e a Paraíba em abril de 2008 no programa Domingão do Faustão, da Rede Globo, onde encarnou o Rei do Baião Luiz Gonzaga no quadro “Os Imitadores”. Em agosto do mesmo ano, o cantor repetiu a dose no Programa Sílvio Santos.

O “Alô Comunidade” é produzido pela Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares e transmitido pela Rádio Tabajara (1.110 AM), retransmitido por onze rádios comunitárias e diversos blogs e sites, numa produção da Sociedade Cultural Posse Nova República, Academia de Cordel do Vale do Paraíba e Coletivo de Jornalistas Novos Rumos.

O programa vai ao ar todos os sábados às 14h, com apresentação e produção de Dalmo Oliveira, Fábio Mozart, Beto Palhano e Marcos Veloso.

Ouça em tempo real na Tabajara AM pela internet:


 

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Rádio Zumbi dos Palmares integra rede para cobertura da greve geral deste dia 30


A Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares fará parte da rede que a Rádio Comunitária Noroeste FM, de Campinas (SP) criará para a cobertura da greve geral do dia 30 de junho (sexta-feira), contra as reformas, por eleições gerais e pela saída do Presidente Michel Temer.

Estaremos no ar das 6 da manhã ao meio dia, com cobertura ao vivo das paralisações e entrevistas com especialistas. O programa será de música, informação e prestação de serviços, que pautara a greve sob a ótica de um jornalismo plural e diferenciado.

“O momento é de unidade das rádios comunitárias contra a retirada de direitos”, declarou Jerry Oliveira, da Noroeste, coordenador do Movimento Nacional de Rádios Comunitárias.



segunda-feira, 26 de junho de 2017

Rádio Zumbi leva ao ar estilos musicais da América Latina


Programa “Canto latino”, apresentado por Edson Silva, vai ao ar pela Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares todos os dias a partir das 20 horas. Produzido pela Rádio Comunitária Noroeste FM, o programa mostra estilos musicais de todos os países da América Latina, desde a havaneira de Cuba à flauta andina.

A emissora comunitária Noroeste também é pioneira na transmissão de futebol na região de Campinas. O Canto Latino tem a produção de Cris Costa e Jerry de Oliveira e mescla a boa música brasileira e latino-americana com comentários engajados dos apresentadores. Coordenadores da Rádio Noroeste, depois de participarem da fundação da ABRAÇO-SP agora atuam vigorosamente no Movimento Nacional de Rádios Comunitárias (MNRC).



quinta-feira, 22 de junho de 2017

Parceria entre Repórteres sem Fronteiras e Intervozes conduzirá pesquisa sobre concentração de propriedade na mídia


Media Ownership Monitor (MOM) mapeia os maiores grupos controladores das empresas de comunicação, seus interesses econômicos cruzados e o uso das verbas públicas no setor


Transparência da mídia é um pré-requisito essencial para o pluralismo, a diversidade de opiniões e o fortalecimento da democracia. Com essas premissas, a Repórteres Sem Fronteiras (RSF) lançou em 2015 o Media Ownership Monitor (MOM) – ou Monitor de Propriedade de Mídia (http://www.mom-rsf.org). O Brasil será o 11° país a receber esse projeto internacional, que tem como objetivo responder a perguntas que ajudam a ampliar a transparência no setor: quem é o dono da rádio, da TV ou do jornal que você acompanha? Quais os interesses econômicos do grupo? Quais são as regras às quais as empresas de mídia estão submetidas no país? Há leis que impeçam a concentração de mercado ou estimulem a diversidade? Há uma política de Estado para o uso das verbas publicitárias públicas? Ou elas podem ser usadas apenas de acordo com os interesses políticos do governo da vez?

O lançamento do MOM Brasil acontecerá no Rio de Janeiro e em São Paulo. Na capital paulista, o evento ocorre no dia 29 de junho, terça feira, a partir das 9h, no mezanino do Sindicato dos Engenheiros, localizado na Rua Genebra, 25, bairro Bela Vista. No dia 4 de julho, a partir das 19h, é a vez do projeto ser lançado no Rio de Janeiro, na Casa Pública, localizada na Rua Dona Mariana, 81, Botafogo. Participam dos lançamentos Olaf Steenfadt (coordenador do MOM no RSF), André Pasti (integrante do Intervozes e coordenador da pesquisa no Brasil), Suzy dos Santos (UFRJ/PEIC), além de jornalistas, representantes de empresas de radiodifusão, estudantes e pesquisadores/as.

O MOM traz uma metodologia de coleta e análise dos dados desenvolvida com indicadores pré-determinados, construídos com base no EU-funded Media Pluralism Monitor, do Instituto Universitário Europeu de Florença, bem como no trabalho Indicadores de Desenvolvimento da Mídia, produzido pela UNESCO, e no estudo do Conselho Europeu sobre metodologias de medição da concentração dos meios de comunicação, dentre outros. A iniciativa foi proposta e lançada pela seção alemã da organização internacional de direitos humanos Repórteres sem Fronteiras (RSF) e é financiada pelo Ministério Federal de Desenvolvimento Econômico e Cooperação (BMZ) da Alemanha. Em cada país, a RSF coopera com uma organização parceira local para facilitar uma adaptação e a implementação completa da pesquisa.

Liberdade de imprensa em risco
Na Colômbia, o Monitor de Propriedade de Mídia revelou um alto grau de concentração da mídia, demonstrando que dois terços do foco do total de leitores da imprensa escrita nacional era direcionado a apenas quatro jornais: Q’hubo, ADN, El Tiempo e Al DIA. Além disso, as duas maiores estações de televisão do país compartilham mais de dois terços do mercado de TV entre si e abocanham cerca de 78% da receita total de publicidade televisiva. O que favorece conflitos de interesse e autocensura entre os jornalistas. Estes, por sinal, são hostilizados e alvo de ameaças e ataques por parte de criminosos e paramilitares, mas também por políticos e autoridades de segurança.

Em fevereiro de 2014, uma estação de televisão revelou que o governo colombiano teria interceptado pelo menos 2.600 e-mails entre jornalistas estrangeiros e as duas pessoas responsáveis pelas negociações de paz em curso com porta-vozes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Foram afetados, além dos meios de comunicação colombianos, as agências internacionais de notícias AP, AFP, DPA, EFE e Reuters, ainda que a Constituição colombiana garanta a proteção e a confidencialidade das fontes dos jornalistas.

Concentração da Mídia
No Peru, o MOM revelou não só um alto grau de concentração da propriedade da mídia, mas também uma falta de regulamentação governamental que confirma a posição de destaque do grupo El Comercio.

A concentração da propriedade e da receita no setor de mídia é tão alta que representa uma ameaça à liberdade de imprensa. Os números de circulação de mídia impressa e do alcance da mídia digital no país são extremamente concentrado.

Embora no Peru não exista nenhum controle político direto sobre a mídia o vácuo regulatório representa uma ameaça para o pluralismo dos meios.
O grupo El Comercio, por exemplo, concentra algo em torno de 80% da circulação total de jornal, na mídia on-line a estimativa é de 65 % e totaliza cerca 57% da renda total dos nove grupos de mídia mais importantes.

Dos dez grupos de mídia estudados, seis estão nas mãos de famílias. Apesar do grupo El Comercio ser uma exceção sua atividade estende-se a setores econômicos diversos como a indústrias, a educação, setor imobiliário, lojas de impressão e de entretenimento que se estem ao Peru e na Bolívia, Chile e Colômbia.

Meios de comunicação como instrumentos de poder
Na Ucrânia o estudo concluiu que mídia de massa é especialmente comprometida com os interesses pessoais de seus proprietários e servir como seus meios de poder político e econômico. Além disso, os meios de comunicação no país sofrem de corrupção e falta de transparência sobre a sua propriedade.

A principal razão é a falta de uma regulação eficaz dos oligopólios de mídia. A propriedade das grandes empresas de mídia são obscurecidas através de paraísos fiscais, que os proprietários usam para contornar as exigências legais existentes.
A influência política sobre os meios de comunicação é extremamente forte na Ucrânia. Dez das doze empresas mais importantes têm ligações diretas ou indiretas com políticos.

Outro exemplo é a Mongólia onde não há garantias legais para impedir o controle político da propriedade dos meios. Consequentemente, os laços políticos no mercado de mídia mongol são visíveis em 29 dos 39 meios estudados. Apenas um dos dez canais de televisão na Mongólia coloca  trás transparência sobre sua propriedade.
Na Turquia a maioria dos proprietários de mídia são dependentes de contratos públicos e, consequentemente,  são relutantes em criticar o governo. Assim, sete dos dez maiores proprietários têm relações políticas com o partido no poder.

Os resultados do MOM no país fornecem evidência de uma fraqueza do mercado de mídia, que favorecem uma influência política excessiva. Isso deixa a distribuição dos orçamentos de publicidade públicos numa relação promíscua entre comunicação e poder político.

Falta de Transparência
Nas empresas registradas nas Filipinas deve-se divulgar a sua estrutura de propriedade, mas muitas empresas escondem seus beneficiários econômicos reais usando estruturas de propriedade multicamadas. Estas estruturas complexas são legais e podem ser teoricamente acessadas, mas apenas com uma enorme quantidade de pesquisa.

Os motivos para a criação de tais estruturas corporativas e sua mudança frequente são duvidosos. Uma possível explicação é o desejo de esconder proprietários estrangeiros. No país não há proteção legal contra a concentração da propriedade de mídia.
Cinco famílias que aparecem na lista da Forbes entre as 50 pessoas mais ricas nas Filipinas são oriundas da indústria de mídia, sendo que quatro deles ficaram ricos principalmente pelo setor de mídia.

Brasil entra no Mapa
O mapeamento criará um banco de dados atualizado continuamente, com as 40 maiores empresas de comunicação do país, seus controladores e as regras às quais estão submetidas. Pelo tamanho territorial, o Brasil merecerá um levantamento, inédito para o projeto, sobre a mídia regional. O Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social estará à frente do MOM Brasil.

A pesquisa será realizada nos próximos meses e a divulgação dos resultados acontecerá em outubro. Como a metodologia é universal, os dados brasileiros poderão ser comparados com os de outros países e também da região.

Por Ramênia Vieira – Repórter do Observatório do Direito à Comunicação
0
0