Ouça nossa webradio

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Poeta campinense abre o projeto "Cordel na Rádio Comunitária" neste sábado (03)

O projeto “Cordel na Rádio Comunitária” tem sua primeira atividade no sábado, 3 de junho, com entrevista do poeta campinense Rui Vieira (foto) na Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares e Rádio Tabajara da Paraíba, no programa “Alô comunidade”, ancorado pelo cordelista Fábio Mozart, proponente do projeto.

A ideia é divulgar especificamente a produção e os nomes dos poetas populares, violeiros repentistas, editores de folhetos, gravadores/entalhadores e poetas “de gabinete”. Cada programa seria dedicado a um nome, com sua poesia, seus trabalhos e entrevista.

Rui Vieira tem larga folha de serviços prestados no segmento da pesquisa sobre poesia popular, sendo hoje um dos poetas mais importantes e renomados do estado da Paraíba. Ele é membro efetivo da Academia de Cordel do Vale do Paraíba.
O projeto “Cordel na Rádio Comunitária” tem patrocínio do Fundo de Incentivo à Cultura Augusto dos Anjos – FIC, da Secretaria de Cultura do Estado da Paraíba,  com apoio da Academia e Rádio Comunitária Zumbi dos Palmares, de João Pessoa.

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Oficina busca fortalecer a defesa do SUS através de rádios comunitárias

Loucuras no Rádio é um projeto do paraibano radicado em Goiás Luiz Parahyba. A oficina dá dicas de como os ativistas podem ajudar a criar associações populares destinadas a explorar a radiodifusão comunitária. Atualmente, o projeto está direcionado para a importância de utilizar o rádio como instrumento de defesa do SUS em suas comunidades. Para o jornalista, as rádios devem ser usadas para informar à população dos seus direitos. Devem ser democratizadas para que todos os interessados possam usufruir do serviço. 

sábado, 27 de maio de 2017

ALO COMUNIDADE 353 MARCIA LUCENA

 



Nesta edição Mabel Dias e Aline Simões entrevistam a prefeita do Conde (PB), Marcia Lucena. Sonoplastia de Beto Lucas.

terça-feira, 23 de maio de 2017

ALO COMUNIDADE ARACILIO ARAUJO

 

Nesta edição Fabio Mozart entrevista o forrozeiro paraibano Aracilio Araujo. Sonoplastia de Beto Lucas.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

ALO COMUNIDADE 352 HERMANO JOSE FALCONE

 



Nesta edição entrevistamos o médico e psicólogo Hermano José Falcone, que fala sobre o fenômeno "Baleia Azul". Também trouxemos sonora com a vice-governadora da Paraíba, Lígia Feliciano, sobre segurança alimentar e parcerias com países africanos.

sábado, 20 de maio de 2017

Forrozeiro itabaianense é o entrevistado da semana no “Alô comunidade”

O “Alô comunidade” recebe Aracílio Araújo na edição deste sábado (20) na Rádio Tabajara da Paraíba AM (1.110 KHZ). Ancorado por Fábio Mozart, o programa começa às 14 horas e pode ser ouvido também pela internet, no portal da emissora: www.radiotabajara.pb.gov.br

Entre outras parcerias famosas, Aracílio gravou com Alceu Valença no CD intitulado “Forró de Todos os Tempos”, assinando cinco de suas obras. No dizer de Alceu Valença, o compositor e cantor Aracílio Araújo, “É uma formidável máquina de fazer forró”. De fato, desde 1971, quando deixou a sua terra natal, não parou de emplacar as suas composições na gravação dos mais renomados artistas nacionais, como o próprio Alceu Valença; Elba Ramalho; Fagner; Marinês e Sua Gente, além de artistas de sucesso regional como: Flávio José, Alcimar Monteiro, Maciel Melo e muitos outros.

terça-feira, 9 de maio de 2017

ALO COMUNIDADE 350 Manuel Batista e Fabio Brito

 



Nesta edição Fábio Mozart entrevistou  o Diretor de Cultura de Mari, Fábio Brito e o poeta Manuel Batista.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Protagonismo das mulheres e democratização da comunicação estão entre os destaques da Carta de Tarapoto



Entre os dias 28 de abril e primeiro de maio, diversas organizações, povos tradicionais e movimentos sociais de nove países se reuniram em Tarapoto, no Peru, para o VIII Fórum Social Panamazônico. O resultado dos debates realizados ao longo desses dias é a Carta de Tarapoto, um documento que reúne propostas de luta, resistência e mudanças para a preservação da panamazônia.

De acordo com Ismael Vega, do Comitê Internacional do Fórum, o evento foi um sucesso, principalmente pelo seu caráter participativo e democrático, e pela visibilidade dos aspectos mais importantes da agenda política dos povos da Amazônia. Vega afirma que a carta questiona o atual sistema capitalista e neoliberal, com o objetivo de construir novos paradigmas. Ele destaca ainda a participação das mulheres e a entrada da democratização da comunicação entre os pontos do documento.

Diana Aguiar, da Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (FASE), também avalia o evento positivamente. Para ela, o Fórum foi um espaço de aprendizado sobre o que tem ocorrido na panamazônia, de diversidade e riqueza.

Pela primeira vez na história do Fórum, a comunicação esteve entre os principais eixos temáticos, juntamente com as mulheres, a descolonização, megaprojetos, soberania e segurança alimentar, mudanças climáticas, educação e cidades.

Para Aguiar, dar voz às mulheres é fundamental, porque são elas que estão construindo tanto as resistências quanto as alternativas. No Fórum, além de terem um espaço específico elas ainda estiveram de forma transversal em todos os espaços. A realização do Tribunal de Justiça e Defesa dos Direitos das Mulheres Amazônicas e Andinas, composto somente por mulheres também foi um ponto alto do evento e será integrado às próximas edições.

Sobre o tema da democratização da comunicação, Diana Aguiar lembra que muitas vezes os movimentos não percebem a questão como política. De acordo com ela, é fundamental que a comunicação tenha destaque nesse contexto.

A Carta de Tarapoto pode ser encontrada no site do evento: www.forosocialpanamazonico.com. O próximo Fórum Social Panamazônico será realizado na Colômbia. (pulsar)